Bem vindos ao Espaço Saúde Granjardim
Consultórios para profissionais da saúde na Granja Viana
(11) 4702-6652 / 4702-6781 contato@espacosaudegranjardim.com.br
viroses gastrointestinais são comuns nos dias de verão
Cuidado com as viroses de verão

Atenção redobrada com a comida e com a água da criançada, pois está aberta a estação das viroses gastrointestinais

Férias e dias de sol com os pequenos – principalmente na praia – muitas vezes são acompanhadas por perrengues, como as viroses gastrointestinais, tão comuns no verão. Antes de mais nada, vale ressaltar que “virose” é um termo genérico que se refere a toda doença ou infecção provocada por vírus. Porém, no verão, a palavra é utilizada para falar das gastroenterites virais.

Se durante o inverno os vírus, como o Influenza, atingem o sistema respiratório, no verão as gastroenterites virais entram em cena. Seus principais causadores são o enterovírus e o rotavírus. E as crianças são mais vulneráveis ao problema, já que na primeira infância o sistema imunológico ainda está em processo de desenvolvimento.

Sintomas das viroses gastrointestinais
  • Náusea;
  • Vômitos;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia;
  • Mal-estar;
  • Febre (às vezes).
Viroses de verão: como evitar

Em primeiro lugar, é preciso ter muito cuidado com a água e com os alimentos oferecidos às crianças. As altas temperaturas aumentam o risco de deterioração dos alimentos e de contaminações. É importante também lavar as mãos antes de manipular as comidas e oferecê-las às crianças, assim como manter a higiene dos utensílios utilizados. Na praia, a combinação calor intenso, lotação e mãos sujas aumentam ainda mais a incidência das viroses, então o cuidado precisa ser redobrado.

Diagnóstico e tratamento

Na maioria das vezes, os sintomas são suficientes para o diagnóstico. Em casos raros, se o médico julgar necessário conhecer o vírus causador da virose, podem ser realizados exames laboratoriais. Porém, a descoberta não influencia a evolução do quadro ou o tratamento.

O tratamento quase sempre é feito com medidas de suporte, ou seja, hidratação e medicamentos para aliviar a dor, o enjoo e a febre. No entanto, casos de desidratação exigem hidratação endovenosa e até hospitalização.

11 sinais de desidratação em crianças
  1. Boca e peles secas;
  2. Olhos fundos;
  3. Tontura;
  4. Fraqueza;
  5. Cansaço excessivo;
  6. Diminuição da elasticidade da pele;
  7. Dor de cabeça;
  8. Diminuição ou ausência de lágrimas;
  9. Queda da pressão arterial;
  10. Aumento da frequência cardíaca;
  11. Moleira afundada nos bebês.

Fonte: Dra. Monique Cantoni

Pediatra