Bem vindos ao Espaço Saúde Granjardim
Consultórios para profissionais da saúde na Granja Viana
(11) 4702-6652 / 4702-6781 contato@espacosaudegranjardim.com.br

Têm se falado, cada vez mais, sobre probióticos, prebióticos e dos simbióticos, seu consumo vem aumento gradualmente, mas sera’ que estamos usando de maneira correta?

Vamos primeiramente diferenciar probióticos de prebióticos e simbióticos.

A Organização Mundial de Saúde define probióticos como “microrganismos vivos que quando administrados em quantidades adequadas conferem benefícios à saúde do hospedeiro”. São substâncias inativadas que agem como suplemento energético ajudando nossa flora intestinal de bactérias. Já os prebióticos, que não são digeríveis pelo nosso organismo, ajudam no crescimento e na atividade das bactérias do nosso intestino. Os simbióticos são combinações de prebióticos e probióticos.

Benefícios dos Probióticos

Os probióticos têm um papel importante no equilíbrio imunológico, aumentando a imunidade por meio da interação direta com as células do sistema imune. São utilizados no combate a diarreia infecciosa aguda, diarreia associada ao uso de antibióticos, pois os antibióticos matam as bactérias boas e ruins, diarreia associada a Clostridium difficile, algumas doenças do figado, colites(inflamação do intestino), síndrome do intestino irritável(que provoca alterações no habito intestinal, com mais de 3 evacuações ao dia), cólicas intestinais, aumento de gazes, constipação intestinal, prevenção de câncer intestinal entre outras.

Por outro lado, há evidências de que os probióticos não são eficazes para pancreatite aguda e doença de Crohn, não devem ser usados em grandes concentrações(pode levar a diarreia).

Uma metanálise com 5.171 participantes encontrou uma redução no risco de diarréia do viajante com uso de probióticos. Para a prevenção da diarréia do viajante, os probióticos devem ser iniciados dois dias antes da viagem e continuados durante a viagem.

Outra meta-análise em 2.102 crianças, comparando probióticos versus controle para o tratamento da diarréia aguda mostrou uma redução significativa na duração da diarréia com o uso de probióticos. Outra meta-análise envolvendo 1.229 crianças descobriu que a administração de Lactobacillus reuteri reduziu a duração da diarréia e aumentou a taxa de cura. No entanto, há controvérsias sobre o tratamento com probióticos em crianças com diarréia aquosa aguda causada predominantemente por rotavírus.

Probióticos são eficazes para crianças e adultos com constipação. Os pacientes devem iniciar probióticos no início dos sintomas e continuar à medida que os sintomas persistirem. Diversos estudos incluindo adultos e crianças com constipação crônica idiopática relataram um aumento significativo no número médio de fezes por semana em pacientes tratados com probióticos vs. Placebo

Benefícios dos Prebióticos

A literatura científica indica que o aumento da ingestão de fibra prebiótica melhora imunidade, digestão, densidade óssea, regularidade de evacuações e consistência das fezes, controle de peso e saúde do cérebro.

Aonde podemos encontrar?

Probióticos estão disponíveis em duas formas principais: alimentos e suplementos alimentares. São encontrados no processo de fermentação em alimentos como iogurte, chucrute, sopa de missô, kimchi, massa azeda, tempeh e kombucha(um tipo de chá fermentado) e outros, também estão disponíveis em forma de pílulas.

Kefir de leite é uma ótima fonte de probióticos, contém lactobacilos e bifidobactérias em altas doses, podemos encontrar mais de 50 tipos diferentes de bactérias no kefir.

Um em cada cinco americanos tomam probióticos para problemas digestivos

Prebióticos são ingredientes alimentares “não-vivos” que atingem o intestino grosso e “alimentam” as boas bactérias. Prebióticos como frutooligossacarídeos (FOS) e galacto-oligossacarídeos (GOS) são encontrados naturalmente em muitos alimentos, incluindo:

Legumes, Produtos de trigo integral, alimentos à base de centeio, alcachofras, cebolas, repolho, alho e raiz de chicória que contém inulina.

Conclusão

Os probióticos são seguros, quando bem indicados, para bebês, crianças, adultos e pacientes mais velhos, mas recomenda-se cautela em populações com baixa imunidade ou que tomem medicamentos imunossupressores.

Uma revisão sistemática da Agência de Pesquisa e Qualidade em Assistência à Saúde Americana com 387 estudos e 24.615 participantes não encontraram aumento significativo no número de eventos adversos em indivíduos tratados com probióticos de curto prazo (menos de um mês) em crianças, adultos ou pessoas idosas.

No entanto, uma revisão sistemática de 17 estudos, incluindo 1.530 pacientes com câncer, encontrou cinco casos de bacteremia relacionada a probióticos, demonstrando que devemos ter cautela com o uso indiscriminado e em determinados pacientes

 

Ter uma combinação de alimentos ricos em prebióticos e probióticos e completar com um suplemento, se necessário, pode ajudar nosso corpo a manter um equilíbrio saudável de boas bactérias e apoiar a saúde e o bem-estar.