Bem vindos ao Espaço Saúde Granjardim
Consultórios para profissionais da saúde na Granja Viana
(11) 4702-6652 / 4702-6781 contato@espacosaudegranjardim.com.br
Pílula do dia seguinte

9 perguntas e respostas sobre a pílula do dia seguinte, também conhecida como contraceptivo de emergência

1 – Quando usar a pílula do dia seguinte?

A pílula do dia seguinte é um contraceptivo de emergência, ou seja, só deve ser utilizada em último caso. Deve ser tomada o quanto antes após uma relação sexual desprotegida, já que sua eficácia diminui progressivamente à medida que o tempo passa. Após 72 horas, o efeito do método deixa de ser satisfatório.

 2 – Muita gente se refere à pílula do dia seguinte como uma “bomba de hormônios”. Isso é verdade?

É verdade. A pílula do dia seguinte é composta de uma dose alta de progesterona. Para você ter uma ideia, o método emergencial equivale à cerca de meia cartela daquela que se toma todo dia. Consequentemente, não deve ser considerada uma alternativa para os métodos de contracepção convencionais. Entre os efeitos colaterais, dor na região pélvica, inchaço, náusea, dor de cabeça e sangramento fora do período menstrual. Portanto, não se deve fazer de seu uso um hábito nem tomar mais que uma dose por mês. 

3 – A pílula do dia seguinte é 100% eficaz?

Mesmo tomando a pílula nas primeiras 72 horas após a relação desprotegida, ela ainda tem uma taxa de falha de cerca de 15%.

4 – A mulher que não tem parceiro fixo pode usar o método com frequência?

Não. A pílula do dia seguinte é uma medicação de emergência e não foi testada para uso frequente. Para se evitar uma gravidez, deve-se recorrer a outros métodos e o ginecologista é o profissional indicado para auxiliar a mulher nesta escolha. E vale reforçar: é um método emergencial que evita uma gravidez indesejada, mas não protege contra as DSTs. Então, não dispensa o uso da camisinha.

5 – A pílula do dia seguinte é um método abortivo?

Não.  Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, o comprimido não provoca aborto, pois seu efeito no organismo da mulher ocorre antes da fecundação, ou seja, da formação do embrião. Inclusive, o método age dificultando o encontro do espermatozoide com o óvulo. A pílula também não deixa formar o endométrio gravídico, a camada que recobre o útero para implantar o óvulo fecundado e cuja descamação dá origem à menstruação.

 6 – Tomei a pílula do dia seguinte. Quando posso voltar a usar a pílula tradicional?

Após usar a pílula do dia seguinte, o ideal é aguardar a menstruação descer para voltar a usar o anticoncepcional.

7 – Se a gravidez ocorrer após a pílula, o bebê poderá ter alguma sequela?

A pílula age dificultando o encontro do espermatozoide com o óvulo. Contudo, se a fecundação já ocorreu ou ocorrer – lembre-se de que existe a possibilidade de o método falhar – seu uso não causará danos ao embrião.

8 – A pílula do dia seguinte protege durante o restante do mês?

Não, o método é emergencial e não tem efeito cumulativo.

9 – Há contraindicações em relação ao uso desse contraceptivo de emergência?

Sim. É importante conversar com o seu ginecologista antes de utilizar o medicamento. De forma geral é contraindicada são mulheres com histórico ou risco de tromboembolismo venoso e com insuficiência hepática.

 

Dr. Sérgio Guisard

Ginecologista e Obstetra