Bem vindos ao Espaço Saúde Granjardim
Consultórios para profissionais da saúde na Granja Viana
(11) 4702-6652 / 4702-6781 contato@espacosaudegranjardim.com.br
Jornada do Paciente no Espaço Saúde Granjardim
Jornada do paciente no Espaço Saúde

Aqui no Espaço Saúde, todo o contato – do começo ao fim – que o paciente tem com a clínica é cuidadosamente pensado para proporcionar uma experiência marcante

A experiência do paciente com o profissional de saúde não depende exclusivamente da consulta ou do atendimento médico. Cada fase de interação do paciente durante com a sua imagem precisa ser de excelência – desde o momento que ele procura pela sua especialidade na internet ou liga para agendar uma consulta médica até o final do atendimento, incluindo também o pós-consulta.

Quando um paciente agenda uma consulta, ele não chegou até o profissional por acaso. Ele pesquisou – seja na internet ou com amigos e conhecidos. Depois, entrou em contato com a secretária para mais informações e ponderou se o seu atendimento corresponde ou não às necessidades dele. No dia marcado, se deslocou até a sua localização e aguardou até o tão esperado momento: a consulta. No final, fez o pagamento e avaliou se o investimento – financeiro e de tempo – compensou. Talvez surgiram dúvidas sobre o tratamento proposto… será que ele conseguiu de alguma forma a resposta? Aí sim ele estará pronto para o veredito: tornar-se ou não um paciente fiel.

A jornada do paciente do Espaço Saúde

A jornada do paciente pode ser definida como o conjunto de todas as etapas que o potencial paciente percorre até se tornar, de fato, um paciente fiel. O que fideliza os pacientes é a experiência em todo o processo. A impressão em cada etapa determinará se ele retornará ou procurará outro profissional da próxima vez.

No Espaço Saúde Granjardim, nós procuramos entender as expectativas e necessidades de cada paciente para assim oferecer uma experiência personalizada. Nosso objetivo é que a jornada seja eficiente e prazerosa. Para isso, nossas secretárias são constantemente treinadas para exceder as expectativas dos pacientes, desde a marcação da consulta, recepção e pós-atendimento.

Um consultório bem equipado, com uma sala de espera ampla e confortável, localizado em uma região de fácil acesso no melhor da Granja Viana complementam o atendimento para tornar a experiência ainda mais agradável. Quer fazer parte da nossa equipe e conhecer o Espaço Saúde? Entre em contato com a gente e agende uma visita!

Síndrome da Mulher Maravilha
Síndrome da Mulher Maravilha

Mesmo com todo esforço, não há tempo para dar conta de tudo. E aí surge a culpa… e a Síndrome da Mulher Maravilha!

Uma das super-heroínas mais queridas e icônicas, a Mulher Maravilha, definitivamente não foi criada para viver à sombra de um herói masculino. Ao contrário: foi desenhada na década de 1940 pelo psicólogo e escritor William Moulton Marston para lutar, ser livre, ser protagonista. Não é à toa que até hoje o termo é utilizado para expressar força e coragem e combater o conceito de inferioridade feminina.

Não podemos nos esquecer que a mulher teve uma trajetória de constante luta para garantir seus direitos sociais e como indivíduo. E conseguiu se inserir no mercado de trabalho, avançar nos estudos, realizar-se profissionalmente. Porém, a maioria das mulheres não deixou de cuidar do seu espaço privado, ou seja, cuidar da família, cuidar da casa, cuidar do companheiro(a), cuidar da alimentação da família, cuidar dos filhos. Entre tantas atribuições, a mulher ainda precisa arranjar tempo para cuidar de si, resultando, ao meu entender, em uma tripla jornada e não uma dupla jornada de trabalho. E tudo ainda precisa ser executado com perfeição.

Porém, ao mesmo tempo que sua imagem contribuiu para o emponderamento feminino, a Mulher Maravilha criou sobrecarga para as supermulheres do século XXI: a chamada “Síndrome da Mulher Maravilha”, uma ilusão que a mulher deve ter superpoderes, ser bem-sucedida profissionalmente, ser excelente mãe e dona de casa, uma ótima amante para o companheiro e estar em ação 24 horas por dia para dar conta de tudo. Melhor ainda se ela estiver em boa forma física, com roupas incríveis e maquiada.

É claro que essa supermulher vive no limite de suas capacidades físicas e mentais. Inclusive, muitas vezes a ilusão de superpoderes acaba gerando patologias como depressão e ansiedade e, consequentemente, falta de concentração no trabalho, nos estudos ou ainda na vida presente. A sensação de que nunca é suficiente é constante. E aparece a grande vilã: a culpa.

Nessa avalanche de obrigações, já acompanhei diversos casos de mulheres que têm dificuldade de se dar o direito de ter um tempo de prazer somente dela, seja lendo um livro, assistindo um filme ou até simplesmente sentada no banco de um parque vendo as pessoas. Elas estão tão ocupadas em servir o outro. e o dia é curto para cumprir com todas as obrigações…  e como é difícil conseguir pensar em ter momentos de prazer com o parceiro, pois a noite chega, a exaustão toma conta e as tarefas do dia seguinte já ocupam a mente.

Percebo que nessa busca frenética pela perfeição a mulher sofre e, ao perceber que não consegue controlar tudo a sua volta, começa a se questionar, mas não consegue sair do labirinto e anda em círculos. Para lidar com toda essa pressão e cuidar das emoções, nada mais importante do que procurar a ajuda de um profissional da saúde mental como o psicólogo, pois ele ajudará a enxergar outros caminhos ou desconstruir alguns pensamentos enraizados para que a mulher moderna consiga ressignificar sua história.

 

Carmen Cordeiro da Silva

Psicóloga especialista em gerontologia

Diu método contraceptivo de longa duração
Contraceptivo de longa duração

Conheça os prós e contras de cada contraceptivo de longa duração: DIU, SIU e implante

Cada vez mais utilizados por mulheres em todo mundo devido sua praticidade e alta eficácia, os métodos de longa duração, conhecidos como LARC (Long Acting Reversible Contraceptives, ou métodos contraceptivos reversíveis de longa duração, são uma ótima alternativa às tradicionais pílulas anticoncepcionais.

Com duração de pelo menos três anos após a colocação, os métodos previnem em até 99% uma gestação não planejada e tem eficácia semelhante à laqueadura (esterilização feminina) – lembrando que nenhum método é 100% eficaz. Podem ser utilizados desde a adolescência até a pré-menopausa e por mulheres que já tiveram filhos, ou não.

Quais são os tipos de contraceptivos de longa duração?
  • Dispositivo intrauterino (DIU)
  • Sistema intrauterino (SIU);
  • Implante hormonal
Dispositivo intrauterino (DIU) de cobre

É um dispositivo não hormonal em formato de “T” de cobre que, ao ser colocado no interior do útero, provoca uma alteração química que impede o encontro entre o espermatozoide e o óvulo

Principais pontos do DIU de cobre:

  • Duração de 5 a 10 anos;
  • Não tem hormônio;
  • Pode aumentar bastante o fluxo menstrual e, consequentemente, as cólicas, principalmente nos primeiros 6 meses.
  • Imediatamente reversível
Dispositivo intrauterino (DIU) de prata

Traz uma pequena porcentagem de prata misturada ao cobre, o que diminuiria o risco de oxidação e aumentaria sua eficácia. É menor que o DIU de cobre e em formato em “Y”, o que facilitaria sua inserção e remoção.

Principais pontos do DIU de prata

  • Duração de 5 anos;
  • Não tem hormônio;
  • A prata diminui a chance de intensificar o fluxo e cólica menstruais;
  • Como é menor e tem formato em “Y”, normalmente causa menos desconforto na colocação;
  • Imediatamente reversível.
Sistema intrauterino (SIU)

Também conhecido como DIU Hormonal (Mirena), é um dispositivo em formato de “T” revestido pelo hormônio levonorgestrel, um subtipo sintético de progesterona. Evita a gravidez porque afina o endométrio e altera o muco cervical, tornando o ambiente hostil à fecundação.

Principais pontos do SIU:

  • Duração de 5 anos;
  • A ação do hormônio é local e diminui o fluxo menstrual e as cólicas – em alguns casos a mulher para de menstruar;
  • Como afina o endométrio, muitas vezes é indicado no tratamento de algumas doenças ginecológicas, como endometriose e adenomiose.
  • O custo do SIU é geralmente maior que do DIU (cobre e prata);
  • Imediatamente reversível.
Implante hormonal

O implante hormonal (Implanon) é um pequeno cilindro com hormônio em seu interior (etonogestrel). A inserção é feita normalmente na face interna do braço, sob a pele.

Principais pontos do implante hormonal:

  • Duração de 3 anos;
  • Algumas pessoas relatam aumento da acne e dor de cabeça como efeitos colaterais;
  • Pode deixar o fluxo menstrual irregular, principalmente no primeiro ano;
  • O custo do SIU é geralmente maior que do DIU (cobre e prata);
  • Imediatamente reversível.
Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência

Em fevereiro, a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência tem o objetivo de alertar a sociedade sobre medidas preventivas e educativas para reduzir a incidência da gravidez na adolescência. Os dados são assustadores: No Brasil, cerca de 930 adolescentes e jovens dão à luz todos os dias, totalizando mais de 434,5 mil mães adolescentes por ano.

Apesar de não substituir a importância da camisinha em evitar as doenças sexualmente transmissíveis, os LARC são considerados opções de primeira linha para adolescentes pelo American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) e pela Academia Americana de Pediatria, já que, uma vez inseridos, não necessitam ações regulares da paciente.

Fonte: Dr. Sérgio Guisard

Ginecologista e Obstetra

vacina no posto ou na clínica
Vacina: no posto ou na clínica privada?

Nos primeiros anos de vida, são diversas vacinas que a criança deve tomar e sempre surge a dúvida

O Programa Nacional de Imunizações brasileiro é referência internacional e considerado um dos melhores do mundo. As vacinas oferecidas são avaliadas e aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e oferecidas gratuitamente para todos os bebês e crianças. No entanto, as clínicas privadas oferecem algumas vacinas que não são disponibilizadas pelo Sistema único de Saúde (SUS) e outras com formulação diferente. Porém, lembre-se: é importante que você siga as orientações do pediatra.

Pentavalente X Hexavalente

Aos dois, quatro e seis meses de idade os bebês devem ser imunizados contra seis doenças: difteria, tétano, coqueluche, poliomielite, hepatite B e Haemophilus influenzae do tipo b. Essa imunização é oferecida tanto no SUS como nas clínicas privadas, porém no sistema público, para ficar protegido das seis doenças, o bebê recebe duas picadas. Nas clínicas particulares, a proteção se dá com uma única aplicação. Outra diferença: a vacina oferecida no SUS é feita com partes inteiras das bactérias e dos vírus, já a oferecida pela rede privada a vacina é acelular. A eficácia e segurança são similares, mas os efeitos adversos são menos frequentes e intensos quando se usa a acelular.

Meningite

A vacina oferecida pelo SUS protege somente contra a meningite C. Já nas clínicas particulares é encontrada a vacina quadrivalente meningocócica conjugada ACWY, que também oferece proteção contra os meningococos dos grupos A, W e Y, e também a “meningo B” que protege contra a meningite bacteriana causada pelo meningococo b. Vale ressaltar que a meningite C é responsável por 70% dos casos da doença. Portanto, quem tem condições financeiras para pagar, conseguirá uma proteção melhor contra a doença na rede particular.

Pneumocócica

A vacina oferecida na rede pública e nas clínicas particulares é inativada. Porém, no SUS é oferecida a vacina pneumocócica conjugada 10-valente (VPC10), que protege contra dez sorotipos de pneumococos e previne cerca de 70% das doenças graves (pneumonia, meningite, otite) em crianças. Nas clínicas, é possível encontrar a vacina pneumocócica conjugada 13-valente (VPC13), que previne cerca de 90% das doenças graves (pneumonia, meningite, otite) em crianças causadas por 13 sorotipos de pneumococos.

Rotavírus

O SUS oferece a vacina oral monovalente (VRH1), enquanto as clínicas particulares oferecem a vacina oral atenuada pentavalente (VR5). A diferença é na quantidade de tipos de vírus contra os quais a criança fica protegida e no número de doses – duas doses na rede pública e três doses na rede particular.

Influenza

A imunização anual oferecida no SUS protege geralmente contra três subtipos de influenza. Já nas nas clínicas particulares, é possível receber a vacina quadrivalente, que protege contra mais um subtipo.

 

Fonte: Dra. Monique Ribeiro Cantoni

Pediatra

Espaço Saúde coworking médico
7 vantagens do Coworking Médico

Atender seus pacientes em um coworking médico na Granja Viana é uma ótima opção para conquistar pacientes

1 – Flexibilidade na agenda

Se você tem um espaço próprio, precisa preencher toda a agenda para compensar o alto investimento mensal. A proposta do Espaço Saúde é oferecer flexibilidade e economia para facilitar o seu dia a dia: você reserva a sala por período e concentra os seus pacientes para evitar buracos na agenda.

2 – Estrutura completa

Aqui você não precisa fazer um grande investimento inicial para montar toda a estrutura necessária e se atentar aos detalhes. Temos tudo o que você precisa para atender seus pacientes, que vão se sentir extremamente confortáveis em nossas instalações.

3 – Atendimento personalizado 

Você não precisa se preocupar em gerir funcionários ou treinar a equipe. O atendimento no nosso espaço de coworking médico é orientado para atender seus pacientes com a mesma cordialidade e profissionalismo que você os trata, proporcionando uma experiência única.

4 – Menos trabalhos administrativos

O tempo que você dedica no Espaço Saúde é reservado para os seus pacientes. Você não precisa se preocupar com trabalhos administrativos. Nossa equipe toma conta de tudo, desde o atendimento, até a limpeza do consultório. É muito importante para a gente que o ambiente que você trabalha seja agradável para você e seus pacientes.

5 – Aluguel por período

Você não precisa se preocupar também com contas de luz ou pagamentos de funcionários, já que tudo já está no aluguel por período do Espaço Saúde.

6 – Gestão de pagamentos

Você define o valor de suas consultas e tratamentos, mas nossas recepcionistas fazem a cobrança para que você não precise se preocupar com nota fiscal e recibos, nem falar sobre valores.

7 – Networking

Profissionais de diversas especialidades atendem no Espaço Saúde e esse contato pode trazer inúmeros benefícios, como indicações de pacientes e grandes parcerias para projetos e estudos.

Janeiro Branco
Janeiro Branco

Campanha Janeiro Branco: um convite para refletir sobre sua saúde mental e emocional

O Brasil tem números alarmantes de pessoas que sofrem com doenças psíquicas como depressão e transtornos de ansiedade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 5,8% dos brasileiros têm depressão. É a maior taxa da América Latina e a segunda maior das Américas, atrás apenas dos Estados Unidos. Para chamar a atenção das pessoas para a importância de cuidar da saúde mental e promover o conhecimento sobre problemas como depressão e ansiedade que o psicólogo mineiro Leonardo Abrahão criou, em 2014, o projeto Janeiro Branco.

Um dos principais objetivos da campanha – que conta com mini-palestras, oficinas, rodas de conversa, caminhadas, entre outras ações gratuitas em diferentes cidades brasileiras – é gerar uma psicoeducação, conscientizando as pessoas, a mídia, as instituições sociais e o poder público e privado sobre a necessidade de cuidar da saúde mental, combatendo o preconceito de procurar ajuda profissional para falar e entender sobre os sentimentos.

A escolha do mês de janeiro não é por acaso: é o mês que marca o início de um ciclo que geralmente carrega muitas reflexões do ano e a promessa de fazer com que o novo ano seja melhor. Portanto, a campanha embarca na simbologia culturalmente enraizada de mudança para alertar sobre a importância de cuidar das suas emoções e pensamentos. O branco, que é a cor da paz, é um convite para que as pessoas escrevam sua vida numa nova página em branco.

Devemos nos preocupar com a saúde mental da mesma forma que cuidamos da saúde física. Infelizmente, ainda existe receio em falar sobre sentimentos, além do temor em buscar a ajuda de profissionais, como psicólogo ou psiquiatra, pois muitas pessoas acreditam que eles só cuidam de casos graves, como esquizofrenia e outras doenças. No entanto, o psicólogo também pode ajudar o individuo a entender seus sentimentos, enxergar sua subjetividade, desconstruir conceitos e preconceitos e ressignificar sua história.

Fonte: Carmen Cordeiro da Silva

Psicóloga Clínica, especialista em Gerontologia – CRP 06/106108 

Facebook